História, Cultura e Identidade Nacional

Imagens

imagens recorte

______________________________________________________________

brasilia

Foto das comemorações em ocasião da inauguração de Brasília | Revista Manchete | Abril de 1960

Legenda: “A bela e a fera? Não. Ela é realmente bela, mas ele há muito não é fera. “

As comemoração para inauguração de Brasília tiveram um aspecto grandioso, em uma época de crescimento econômico acelerado, com a liderança do presidente Juscelino Kubitchek e a cobertura massiva da imprensa nacional e internacional. A contrução de uma cidade no coração geográfico do país e a transferência da capital representou um importante mudança nos rumos geopolíticos do Brasil. Leia aqui o discurso de inauguração de Brasília, por JK, de 21 de abril de 1960. Na foto, vemos representantes antagônicos do país, uma modelo fotográfica e um índio, representante da tradição e origem histórica da nação. A legenda também merece destaque, uma vez que a vinculação do índio com a imagem da fera (selvagem) se faz presente.

Ziraldo

Ziraldo | “Ame-o ou deixe-o” | O Pasquim | 1970

Em um dos mais famosos cartuns publicados pelo Pasquim, Ziraldo mostra-nos a sua versão para o slogan governamental que marcou os anos de governo do general Emílio Médici.

Eu Quero Mocotó

Jaguar | Montagem a partir de “Independência ou Morte” | Original de Pedro Américo | O Pasquim | 1970

Neste cartun, Jaguar utiliza-se de uma técnica muito comum na imprensa alternativa do período: a apropriação de imagens e resignificação através do uso de colagens, montagens e alteração. Dessa maneira, qualquer material encontrado pela redação do Pasquim, como um jornal, revista, livro, fotografia ou anúncio publicitário poderia ser utilizado como material gráfico. Nesse caso, o alvo foi a reprodução de “Independência ou Morte”, de Pedro Américo. Dom Pedro grita “Eu quero Mocotó”, refrão do sucesso de Erlon Chaves, finalista do Festival Internacional da Canção de 1970. Por essa charge, considerada extremamente desrespeitosa pelas autoridades, a equipe do Pasquim ficou detida por uma semana.

medici

Entrega da Taça Independência do Brasil pelo presidente Emílio Garrastazu Médici ao capitão da seleção brasileira Gérson | Revista Manchete | 1972

A Taça Independência do Brasil foi uma competição ocorrida somente uma vez, em comemoração ao Sesquicentenário [150 anos] da Independência do Brasil. No campeonato, entraram em disputa 20 seleções do mundo. Organizado pela CBD, a taça foi confeccionada com esmalte azul, ouro e pedras preciosas, como rubi e esmeralda. Após a conquista da Copa do Mundo de 1970, a seleção brasileira teve lugar de destaque na política brasileira, vinculada à figura “carismática” do general Médici.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: